Veja também:

  Axé

       1

 

 

Conceitualmente, o Axé é a força mística relacionada ao culto dos Orixás.

É a energia emanada dos Orixás que, ritualisticamente, passa a agir de forma dinâmica a partir de objetos - pedras, plantas, etc. - que aprisionam essa energia.

Dessa concepção deriva o costume presente no Candomblé de aprisionar essa energia em um conjunto de objetos simbólicos dos Orixás, que são enterrados no terreiro, com o objetivo de estabelecer um ponto de permanente ligação entre o terreiro e o mundo astral.

Numa interpretação mais moderna, Axé consiste na parte da energia pura, que são os Orixás, que pode ser sentida de forma acentuada pelos serem humanos, através das vibrações que se concentram em algum objeto com o qual se possa ter contato direto.

Muito da essência dos cultos afro-brasileiros pode ser resumido como o processo de ritualisticamente, estabelecer a acumulação dessa energia, que em seguida, é transmitida para os filhos-de-santo.

Essa energia é utilizada tanto para permitir a ocorrência do fenômeno de manifestação das entidades, como - tratando-se de força acumulada - para servir de sistema de defesa, impedindo a penetração de forças negativas.

O Axé também pode ser manipulado como força de ataque, servindo de veículo para o envio de influências negativas, quando nesse sentido direcionado.

No aspecto de sua incidência sobre o praticante, o Axé tem o poder de harmonizar energeticamente o iniciado com outras forças astrais, bem como o de isola-lo e fortalece-lo para combater energias que lhe sejam destrutivas.

Na concepção ocidental o Axé não tem ética: é uma energia que tanto pode ser criadora como destruidora, dependendo da predisposição do praticante que dela se utiliza, já que seu manipulador no astral, Exú, não interpõe limites entre o bem e o mal.

É através das diferentes manifestações do Axé que se traduz a ligação entre o mundo material e o astral que, segundo as antigas lendas, originalmente não eram separados.

 

 

           2

 

 

Por extensão, Axé é o termo empregado no Candomblé para designar o conjunto de objetos simbólicos preparados para armazenar a força mítica oriunda do astral.

Tais objetos se constituem no Axé do terreiro.

 

 

         3

 

 

Ainda por extensão do conceito, a palavra Axé é usualmente empregada no sentido de força de natureza astral.

 

 

      4

 

 

No cotidiano popular, especialmente na Bahia, a palavra é empregada com o sentido de energia favorável, de força animadora e da alegria de viver do ser humano, e é utilizada como forma complementar de cumprimento e desejo de boas alvíssaras.

©2020 by Sylvio Pires Gachido. Todos os diretos reservados. WebDesigner Adriana Cruz