Babaçuê

O babaçuê é um culto religioso afro-ameríndio popular do Norte e Nordeste do Brasil em especial nos estados do Amazonas, do Maranhão e do Pará.

Também chamado de Batuque-de-Santa-Bárbara, Batuque-de-Mina, é considerado como uma das religiões afro-brasileiras, por ser um tipo de candomblé mestiço, também chamado de Jeje-Nagô, onde são cultuados tanto Orixás como Voduns.

Como Batuque de Santa Bárbara, cultua os Orixás nagôs Iansã e Xangô, a primeira protegendo as mulheres e o segundo, os homens. E na versão Batuque-de-Mina, cultua os Voduns.

De tradição jeje-nagô, possui fortes elementos indígenas.

Está intimamente ligada ao Tambor-de-Mina e ao Terecô do Maranhão. "Babaçuê" possivelmente é uma corruptela de "Bárbara Soeira", nome pelo qual o Terecô maranhense também é conhecido.

No início do século XX, pesquisadores de visibilidade nacional davam notícias vagas sobre um tipo de culto na Amazônia denominado "batuque" ou "babaçuê", que teria se curvado às tradições ameríndias, ou seja, à pajelança.

As danças rituais constituem a parte mais externa e pública do culto. Através das danças, toques e cânticos, as entidades são homenageadas, invocadas e se apossam dos iniciados e assim participam dos ritos.

Os cânticos do babaçuê recebem o nome genérico de doutrina.

Como o Tambor-de-Mina e o Terecô, o Babaçuê se baseia na tradição jeje (fon) de culto aos voduns, porém, também é realizado o culto aos orixás (tradição nagô), em especial Iansã (orixá dos ventos e protetora das mulheres, sincretizada com Santa Bárbara) e Xangô (orixá dos raios e da justiça, protetor dos homens).

Além de voduns e Orixás, cultuam-se os "caboclos" ou "encantados", ou seja, os espíritos dos ancestrais indígenas.

©2020 by Sylvio Pires Gachido. Todos os diretos reservados. WebDesigner Adriana Cruz