Terecô

Terecô é a denominação de uma das religiões afro-brasileiras da cidades de Codó no Maranhão, Teresina no Piauí , Porto Alegre no Rio Grande do Sul ,e Bacabal no Maranhão.

Também é chamado de Encantaria de Maria Bárbara Soeira, Tambor da Mata ou simplesmente Mata.

Embora alguns de seus elementos identificados como jejes e nagôs, o Terecô possui sua identidade mais atrelada à cultura banto (Angola e Cambinda), tendo como língua ritual é o português.

Encontra-se integrado ao Tambor-de-Mina e à Umbanda, absorvendo os elementos da Encantaria ("encantados da linha da mata").

A origem do termo poderia ser banta, derivando a de “intelêkô” e teria o mesmo significado que Candomblé.

Já se acreditou que poderia ter se originado da imitação do som dos Tambores-da- Mata

 

No Estado do Maranhão é possível encontrar diversos terreiros de Terecô, localizados nas cidades: Açailândia, Codó, Pedreiras, Bela Vista do Maranhão, Bom Jardim, Bom Jesus das Selvas, São Luís Gonzaga do Maranhão, Coroatá, São Mateus, Santa Inês, Caxias, Conceição do Lago-Açu, Dom Pedro, Esperantinópolis, Lago da Pedra, Presidente Dutra, Trizidela do Vale, Lago Verde, Alto Alegre do Maranhão, Peritoró, Imperatriz, São Luís do Maranhão, Lima Campos, Bom Lugar, Brejo, Pindaré-Mirim, Pio XII, Bela Vista, Tufilândia e Timom.

 

O Terecô teria se originado de práticas religiosas de antigos escravizados que viviam nas fazendas de algodão de Codó e em suas redondezas, nas matas de coco (babaçu), na bacia do rio Itapecuru, ate o início da prática na zona urbana às margens da Lagoa do Pajeleiro, nas primeiras década do século XX.

Os sacerdotes desempenham funções de rezadores e curandeiros, tipificados de origem indígena, cultuam cablocos, e integram elementos de tradição religiosas africanas.

Muitos terecozeiros ficaram famosos por trabalhos de magia, inclusive tendo políticos como clientes, como pai-de-santo Bita do Barão.

Estima-se que Codó tenha cerca de 400 terreiros de Terecô e Umbanda.

Codó se constitui no município brasileiro quem possui a maior concentração de terreiros de religiões afro-brasileiras por metro quadrado de área; o que lhe rendeu a fama nacional de “Capital da Magia”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Codó

 

O terreiro é o espaço (privado) aberto em frente ou ao lado da casa, destinado a realização de danças ao ar livre, em oposição a rua e salão.

Algumas das entidades são a Seu Légua Boji, Pedro Angassu, Rei Cacamador, Tói Averequête, Tói Jagorobossú, Nochê Sobô Babadi, Tói Zomadônu, Seu João da Mata, e Colimaneiro de Amaceda.

Embora no Terecô sejam cultuados voduns africanos jeje-nagô do Tambor de Mina da capital, os transes ocorrem principalmente com “voduns da Mata”.

©2020 by Sylvio Pires Gachido. Todos os diretos reservados. WebDesigner Adriana Cruz