Trabalhos Externos

Veja também:

A Umbanda se utiliza das forças da natureza na prática de seus rituais.

É na natureza - e somente nela - que o médium poderá ter contato direto com as energias puras e naturais geradas por ela.

Cada um dos Campos de Força da natureza, tem seu Orixá regente, ou seja, aquele que é responsável pela geração e pela guarda do seu elemento natural.

Numa pedreira, a energia gerada é a da Justiça, portanto, Xangô é o regente deste ponto.

 

Em uma cachoeira, a energia gerada é a do Amor e Oxum é a regente. No mar, Iemanjá é a regente e a energia por ela gerada é a da Geração. Nas matas, Oxossi é o Orixá regente e lá encontraremos a geração do conhecimento.

 

No cruzeiro das almas (cemitério) o domínio é de Obaluaê, Orixá regente da Evolução; nos campos e caminhos.

Nas estradas e caminhos a regência é de OgumOgum, Orixá gerador das leis naturais que regem o Universo.  E, finalmente, em todos os locais acima citados, sempre estará presente a regência simultânea de Oxalá.

 

Conhecer os Campos de Força da natureza e os Orixás ligados a cada um deles, é de fundamental importância para o médium de Umbanda.

Ele precisa ter contato direto, sempre que possível, com estes Campos de Força, porém, esse contato deve ser sempre orientado pelo dirigente espiritual da Casa, pois a compreensão das forças e magias que habitam nestes locais só pode e deve ser transmitida ao médium por ele que é, ou pelo menos deveria ser, suficientemente esclarecido e preparado para esta função.

Por essas razões as Casas de Umbanda costumam realizar as festas celebradas nos dias dedicados a cada Orixá, de preferência, nos locais de regência desses Orixás.

Assim é usual homenagear Iemanjá, a deusa dos mares, na beira da praia, tal como celebrar o dia de Oxóssi em locais de mata, da mesma forma que festejar o dia de Oxum à beira de alguma cachoeira, e assim por diante.

©2020 by Sylvio Pires Gachido. Todos os diretos reservados. WebDesigner Adriana Cruz